Flexibilização de horas de trabalho é tendência para cargos estratégicos

Antes da reforma trabalhista prevista para começar a vigorar em novembro deste ano, com uma série de novos ajustes entre empregado e empregador, a Luandre, consultoria em RH com 47 anos de experiência, que atende 200 das 500 maiores empresas do Brasil, nota que a questão de flexibilização de horas já é uma realidade entre os profissionais de áreas administrativas e estratégicas e, notadamente, em start ups ou multinacionais dos segmentos de telecomunicações, tecnologia e farmacêutica.
Há alguns anos, a questão de foco em resultados passou a ser uma premissa para empresas e a contagem de horas trabalhadas saiu de cena para dar lugar a uma relação mais madura entre as duas pontas (patrão e funcionário), de forma que existe hoje uma liberdade maior com relação à hora de chegada e de saída, desde que cumpridos compromissos e carga horária.
“Isso é, sem dúvida, uma nova política nas empresas e que vem dando certo”, conta Juliana Constantino, gerente de unidade da Luandre. “A compreensão da empresa em relação às demandas pessoais de seus funcionários em vez de comprometer o trabalho gera satisfação entre os profissionais, o que aumenta a retenção de equipe, melhora a produtividade e abre espaço para o engajamento de todos. Ou seja, propiciar um bom ambiente de trabalho é um cuidado que as empresas vêm tendo para obter melhores resultados e para não arcar com o alto o custo de desligamento”, explica.
Se em 2016, eram 2000 vagas neste perfil de flexibilidade, em 2017, são 2240 – isso é um aumento de 12%, que deve ser ainda maior, considerando que ainda faltam quatro meses para fechar o ano.
Outro dado que demonstra essa atualização das relações de trabalho é o crescimento de 114% dos coworkings ou espaços compartilhados em relação a 2016, sendo 40% desse montante em São Paulo e 62% deles nas capitais ou cidades com mais de um milhão de habitantes, segundo a terceira edição do Censo Coworking 2017. Ao todo, são 56 mil estações de trabalho, 313 mil metros quadrados ocupados, 82 milhões de reais movimentados, 210 mil pessoas circulando e 3.500 empregos gerados.
Ainda de acordo com a pesquisa, 12% dos profissionais que ocupam esses espaços são da indústria criativa, incluindo comunicações, e 4% focados na área de TI, segmentos em que a Luandre também percebe essa maior possibilidade de flexibilização de horários.
Fonte: Engaje! Comunicação Inteligente

Publique seus pensamentos

Posts Relacionados
Salto compartilhado: Coworking cresce 191%, deixando a locação de salas individuais

Salto compartilhado: Coworking cresce 191%, deixando a locação de salas individuais

Enquanto a locação e venda de salas comerciais fechou o primeiro trimestre deste ano em…

Quanto mais café você toma, mais tempo você vive, aponta estudo

Quanto mais café você toma, mais tempo você vive, aponta estudo

Se você não vive sem tomar café, saiba que tal máxima não só pode ser…

Coworking: Entenda o conceito dos espaços de trabalho compartilhados

Coworking: Entenda o conceito dos espaços de trabalho compartilhados

   Já pensou em trabalhar em uma configuração de espaço de trabalho colaborativo? Mais criativo…